Pintas na pele podem ser um sinal – fique atento!


Todo cuidado é pouco! As pintas na pele podem revelar uma doença grave.

Para alguns, as pintas na pele são um charme. Já para outros, essas marcas são sinônimo de extrema preocupação e podem revelar um câncer, inclusive o mais grave deles: o melanoma. Assim como muitas doenças, o câncer de pele conta com maiores chances de cura quando o seu diagnóstico é feito precocemente.

E, para isso, realizar o autoexame e prestar atenção nas manchas e pintas na pele é essencial para saber se há algum sinal da doença. Se você tem muitas pintas, já deve estar careca de saber: ir ao médico com regularidade é fundamental. Porém, se essa mancha surgiu inesperadamente, talvez, seja o momento de ficar alerta e buscar ajuda profissional.

No post de hoje, listamos as principais instruções para analisar essas manifestações e, se necessário, procurar um tratamento o mais cedo possível. Acompanhe.

Tudo sobre o câncer de pele

Ainda subestimado por muitos, o câncer de pele é o que tem maior incidência — não somente no Brasil, como no mundo. De acordo com uma pesquisa, realizada pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), estima-se que, somente no ano de 2018, o país registre, em média, 600 mil novos quadros de câncer de pele não melanoma, o tipo mais comum e com taxa de letalidade baixa.

Esses tumores são classificados em câncer de pele melanoma e não melanoma. No grupo dos tumores não melanoma, está o mais comum deles: o carcinoma basocelular, o menos agressivo; e o espinocelular, mais perigoso que o primeiro. O câncer de pele melanoma, por sua vez, é o mais violento entre todos, principalmente pela sua capacidade de atingir outros órgãos e se espalhar pelo corpo.

Em todos os casos, essa complicação ocorre por conta de uma alteração no crescimento celular da pele. Tais células estão posicionadas em camadas e, conforme a localização das que forem atingidas, é possível definir qual o tipo de câncer do paciente.

Causas

O câncer de pele pode se manifestar a partir de alguns fatores de risco. Dentre eles, podemos citar os seguintes:

  • Exposição solar excessiva e sem proteção;
  • Faixa etária: geralmente, em pessoas adultas;
  • Sexo: mais comum em homens;
  • Características físicas: pessoas com a pele clara ou albinos têm mais chances de desenvolver a doença;
  • Antecedentes familiares;
  • Baixa imunidade.

Como analisar as pintas na pele

Os principais e primeiros sinais da doença são as pintas na pele. Por conta disso, e de acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), o ideal é prestar atenção nessas marcas e seguir um método exclusivo para qualquer suspeita de tumor: o ABCDE. É muito fácil:

  • (A) Assimetria: as pintas na pele saudáveis são simétricas; as cancerígenas, não. Mentalmente, divida a sua pinta ao meio e verifique se os lados são iguais ou muito diferentes;
  • (B) Borda: a pinta está se espalhando e não apresenta uma borda ao seu redor? Se sim, é hora de buscar ajuda;
  • (C) Cor: as pintas perigosas são, normalmente, pretas e com manchinhas em outros tons;
  • (D) Diâmetro: marcas maiores que 5 milímetros são suspeitas;
  • (E) Evolução: o câncer de pele cresce e muda de formato e cor rapidamente.

Já para evitar essa condição, é fundamental investir em alguns cuidados que podem salvar a sua vida. São elas:

  • Usar protetor solar com, no mínimo, 30 FPS, diariamente;
  • Utilizar chapéus e camisetas;
  • Evitar a exposição solar entre 10h e 16h;
  • Observar a pele com regularidade;
  • Frequentar o dermatologista anualmente.

Outros sintomas da doença

Além das pintas, existem outros sinais que podem se manifestar em decorrência ao câncer de pele. Veja a seguir:

  • Feridas pequenas que coçam;
  • Nódulos na pele, que se desenvolvem rapidamente e apresentam uma casca e secreção;
  • Ferida que sangra e não cicatriza;
  • Verruga que aumenta de tamanho.

A importância do diagnóstico precoce

Quando detectado precocemente, qualquer tipo de câncer de pele apresenta maiores chances de cura. Esse detalhe é ainda mais importante se tratando do melanoma, uma vez que, quando a doença é descoberta tardiamente, as probabilidades são grandes de que o tumor se torne uma metástase.

É por essa razão que as campanhas de conscientização e educação sobre o problema são fundamentais. Com essas informações, a população tem mais facilidade para reconhecer as características da doença e recorrer ao tratamento adequado.

Pessoas que identificam qualquer lesão de pele devem buscar, imediatamente, o acompanhamento médico — de preferência, com um dermatologista.

Para fornecer um diagnóstico assertivo, o especialista faz uma avaliação clínica cuidadosa, junto ao chamado exame anátomo patológico do tecido, também conhecido como biópsia. Em alguns casos, ele pode solicitar ainda outros exames complementares, como a dermatoscopia e a microscopia confocal.

E então, ficou mais fácil analisar as suas pintas na pele e reconhecer qualquer problema de saúde? Então, aproveite a leitura, compartilhe esse link nas suas redes sociais e divida essas informações valiosas com os seus amigos!

 

Blog

cuidados com a pelepinta na pele

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *